Posts

RH: de coadjuvante a protagonista

Temos ouvido cada vez mais sobre como o RH tem se tornado mais estratégico e, naturalmente, isso exige que um bom profissional da área se torne, também, mais protagonista

 

Com as novas demandas do mercado, gradativamente, é esperado que o RH reavalie suas práticas, ocupando um espaço no board e trazendo soluções

 

Mas o que a reinvenção dos Recursos Humanos realmente indica? Neste artigo, vamos falar sobre como o papel do RH tem mudado dentro das organizações e de que forma agir nesse cenário. 

 

O que é um RH protagonista?

O mundo não é mais o mesmo e nem o RH. Na chamada Nova Economia, sabemos de alguns fatores que influenciam uma nova dinâmica de mercado: tecnologias disruptivas, empresas criativas, aprendizado dinâmico, mudanças constantes… Para citar alguns!

 

No geral, vivemos em um contexto que pressupõe mais inovação e agilidade. Então, pessoas e organizações estão se readequando não apenas a uma nova realidade, mas a novas necessidades.

 

E para reagir às demandas e dilemas gerados por essas rápidas mudanças, novas práticas são essenciais para tornar as companhias mais ágeis e inovadoras. 

 

O RH passa a ser indispensável para a construção de empresas com mais inovação, crescimento, unidade e perenidade e isso só é possível através do protagonismo. Mas esse não é um trabalho simples.

 

De acordo com um estudo publicado pela EY, líderes de RH estão muito menos preparados para lidar com os desafios da Nova Economia do que gestores de outras áreas. Somente 16% dos líderes de RH entrevistados se sentem preparados para um local de trabalho digital, em comparação com 37% dos líderes de outros setores. 

 

Isso significa que o RH precisa aprender a trabalhar de uma forma diferente, adotando tecnologias capazes de acelerar a performance da área e se capacitando para conduzir os processos de transformação nas organizações. 

 

E, assim, surge a necessidade de um RH que atue de maneira protagonista. Um RH protagonista é aquele que se mantém atento a todas essas mudanças e que entende que tem, mais do que nunca, que atuar como parte da estratégia organizacional. 

 

Portanto, essa área é responsável por entender o contexto e propor ações para além do formato tradicional de trabalho, preparando colaboradores para responder às novas demandas do mercado e trazendo resultados para o negócio. 

 

Como ser um RH mais propositivo?

O primeiro passo é uma mudança de mindset a fim de compreender que, nesse momento, o RH deixa de desempenhar um papel de coadjuvante e parte para uma gestão mais participativa e propositiva

 

Isso implica em um RH que entende que deve promover as mudanças dentro da organização, envolvendo as pessoas para a cooperação e entendendo a estratégia do negócio. 

 

Tendo isso em mente, dentro desse longo processo, existem alguns caminhos para transformar essa atuação:

 

1- Conhecer a estratégia do negócio

De que forma é possível ser uma alavanca para a estratégia organizacional sem compreender as necessidades do negócio? 

 

Sem conhecer a fundo a sua organização, o sistema da empresa não fica alinhado à gestão de RH e você passa a ser quem apenas executa demandas sem entender os porquês.

 

Para ser um RH mais participativo e estratégico, é preciso conversar com pessoas e entender verdadeiramente as dores e pontos fortes do negócio. Dessa forma, o RH consegue, inclusive, consolidar, com fatos e dados, as iniciativas a serem tomadas para apoiar os resultados da empresa. 

 

2- Apoiar a transformação digital

Com as novas tecnologias, inteligência artificial e robotização, como os negócios vão migrar de um mundo tradicional para um mundo digital?

 

A tecnologia tem mudado vários modelos de negócio e diversas mudanças no mundo corporativo surgem graças a ela. Embora isso possa parecer desesperador para muitos profissionais, é uma mudança inevitável e positiva!

 

Isso porque, com as novas tecnologias, podemos otimizar experiências e, ainda, baratear vários recursos. Apoiar a transformação digital transforma o mercado e a nova geração de colaboradores já espera por isso! 

 

3- Repensar as práticas organizacionais 

Em função dos tópicos anteriores, fica muito clara a necessidade de mudar o antigas práticas. Mas de que forma sair do tradicional, que muitas vezes já funcionam bem, para começar do zero em algo novo e incerto?

 

Nesse momento, o RH passa a pensar em pontos como: metodologia ágil, gerenciamento de mudanças e conflitos, cultura organizacional e experiência do colaborador. É a hora de trabalhar de forma diferente, desaprendendo para aprender com o novo.

 

Ao mesmo tempo, essa reavaliação das práticas tradicionais inclui que o RH repense seu próprio modelo operacional, migrando para um paradigma mais flexível, colaborativo e ágil. 

 

Então, além de suportar todas essas mudanças para a organização, o RH deve revisitar a sua própria estrutura e subsistemas para que essa nova dinâmica seja possível. 

 

Quer ser um RH ágil?

Os três pontos abordados são um ótimo ponto de partida para uma prática de RH inovadora. Talvez você ainda sinta alguma resistência, mas acredite: esse momento é extremamente positivo para a área, especialmente pela liberdade de aprender na prática. 

 

Como não temos mais tempo de longos planejamentos e as decisões devem ser mais rápidas, a própria aprendizagem deve ser mais ágil e, com isso, a autonomia é uma necessidade dos profissionais inovadores. 

 

Sei bem que o RH sente uma grande pressão nesse momento. Preparar a força de trabalho para responder às exigências do mercado e desenvolver organizações digitais, ágeis e inovadores, não são desafios fáceis.

 

E foi pensando em ajudar o RH a assumir essa grande responsabilidade com preparo e segurança, que desenvolvemos a Especialização em RH Ágil. Nela, você aprenderá como pode aplicar ferramentas e preceitos ágeis em seu dia a dia, atuando como um impulsionador do mindset ágil na organização.

 

Participe da próxima turma do treinamento e conheça os mindsets e tecnologias necessários para um RH protagonista, ágil e que entrega resultados extraordinários!

 

Por Renato Curi

Sócio-diretor da Crescimentum

 

Por que você deve se tornar um líder coach?

Por Dan Porto, sócio-diretor e head de Coaching da Crescimentum

 

Você conhece os benefícios de ser um líder coach que desenvolve as pessoas? Hoje, muitas são as reflexões sobre como ser um líder eficaz, engajado e que, muito além de liderar, deixa um legado na vida de seus liderados.

 

Essa necessidade de aprimorar a liderança tem total correlação com a complexidade do cenário atual e o líder coach é peça-chave para as organizações que desejam melhorar sua performance de forma surpreendente.

 

Talvez você ainda não tenha percebido, mas as transformações na forma de se comunicar, pensar e agir exigem um pensamento diferenciado sobre como atingir resultados por meio de indivíduos.

 

O mundo e as pessoas mudaram e você não deve ignorar isso. É nesse momento que pensar em Coaching de Liderança se torna primordial. O que um líder precisa ter para reagir ou tirar proveito desse contexto?

A liderança no mundo VUCA

Primeiramente, devemos assumir um fato: vivemos em tempos voláteis. Tempos em que a incerteza deve ser levada em conta na tomada de decisões.

 

Em outras palavras, isso significa dizer que quem não aprende a se reinventar pode acabar estagnado na dinâmica do mercado atual.

 

O mundo moderno, globalizado e contemporâneo é pautado pela inconstância. A volatilidade passou a ser categoria predominante e intrínseca na forma como vemos e vivenciamos o mundo.

 

A velocidade do mercado é outra e, foi nesse contexto, que o termo VUCA surgiu. A volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade mudam o mindset tradicional de pessoas e mercados.

 

Mas por que falar sobre isso em um artigo sobre o líder coach?

 

Simplesmente porque ser um verdadeiro líder envolve abraçar esse cenário de incerteza, encarando a vulnerabilidade como algo intrínseco para a construção de um cenário exponencial e buscando por inovações.

 

A liderança no mundo VUCA está atrelada às palavras propósito, reinvenção e desenvolvimento. Para começar a mudar o seu mindset, é preciso se perguntar:

 

O que eu posso fazer para que minha equipe atinja resultados, pessoais e profissionais, extraordinários? Que marca eu desejo deixar no mundo?

 O que um líder coach tem?

É nesse sentido que o Coaching de Liderança deve ser visto não como um diferencial, mas sim enquanto um pré-requisito no mundo corporativo.

 

As pessoas estão, a cada dia, buscando mais por grandes líderes e menos por chefes tradicionais. E o Coaching voltado para a formação de líderes fomenta a criação de visões diferenciadas sobre como lidar, motivar, desenvolver e nortear uma equipe.

 

Um líder coach desenvolve competências como:

  • Construção de relações de confiança;
  • Liderança por missão, visão e valores;
  • Alinhamento de expectativas;
  • Comunicação personalizada de acordo com perfis;
  • Criação de uma cultura de feedback;
  • Empoderamento da equipe;
  • Escuta ativa e perguntas poderosas de Coaching;
  • Incentivo à autonomia.

 

Mesmo sem ir a fundo em cada uma dessas competências, percebe-se que o líder coach não é apenas aquele que direciona e desenvolve pessoas.

 

É quem tem clara a sua missão, visão e valores para, assim, ajudar a sua equipe a encontrar seu propósito pessoal. Quem tem isso bem alinhado consegue ter resiliência diante das instabilidades e inspirar um time motivado, engajado e com entregas surpreendentes.

 Você é o líder que gostaria?

O líder coach constrói uma visão de futuro atrativa para a equipe e consegue motivá-los a irem juntos até lá.

 

Quer se desenvolver para levar sua equipe e organização para outro nível? Não deixe de participar da próxima turma da nossa Formação em Coaching de Liderança!