Coaching: desenvolvimento pessoal e profissional

Por Renata Klingelfus Andraus, trainer na Crescimentum

 

Como seria se você pudesse focar no seu desenvolvimento pessoal, trabalhar com seu propósito e ajudar as pessoas?

 

Eu não vejo sentido no que eu faço. Eu gostaria de ter mais liberdade. Não estou feliz. Sinto um vazio dentro de mim. Falta alguma coisa. Gostaria de deixar algo de significado para as pessoas. Sinto que posso fazer mais. Às vezes me sinto sobrecarregada. Passei a vida tentando agradar os outros.

 

Ganho bem, mas isso não é mais suficiente. O que estou fazendo aqui?

 

Tenho um relacionamento ruim com meus colegas. Quando chega o domingo me dá “fobia” pensando na segunda-feira. Acabo procrastinando minhas tarefas. Sinto ansiedade e outros sintomas físicos constantemente.

 

Você se identifica com algum destes pensamentos e sentimentos? Você não está sozinho.

Como o Coaching pode ajudar?

Muitas pessoas vivem hoje no piloto automático, perdendo a oportunidade de trabalhar com significado, descobrir a melhor versão de si mesmos e entregar resultados com mais naturalidade e satisfação.

Mas, como pode ser diferente?

Uma alternativa para mudança de vida ou de carreira é o Coaching. Uma metodologia flexível que aborda técnicas e ferramentas voltadas para o desenvolvimento de pessoas e pode ser aplicada em diversas áreas de atuação como: vida, carreira, liderança.

 

Não é a toa que o mercado de Coaching é responsável por movimentar uma parcela econômica altamente significativa em nível mundial. Apenas nos Estados Unidos, são gerados mais de 2,3 bilhões de dólares ao ano.

 

No Brasil, esse mercado vem ganhando cada vez mais força e é um pilar primordial para impulsionar a economia do país.

 

Afinal, o Coaching ajuda empresas a produzirem mais através de uma gestão de talentos efetiva, bem como, auxilia profissionais a alavancarem suas carreiras por meio da conquista de melhores cargos e salários.

 

E ajuda a todos que participam de um processo a terem um desenvolvimento pessoal significativo.

 

Com o mercado aquecido para essa profissão, muitas pessoas estão aproveitando sua bagagem acadêmica ou experiência profissional para se tornarem coaches, ajudando outras pessoas a alcançarem o sucesso e a felicidade em suas vidas.

E como isso funciona?

Certa vez, em uma sala de aula de um curso de MBA, o professor lançou uma discussão sobre a viagem mais importante que os alunos já tinham feito. Queria saber como foi, qual era o local e porque aquela viagem foi a mais significativa na vida de cada um.

 

Começaram a falar um a um. Alguém começou e disse: Disney. Porque era um sonho de criança e ali eu senti que podia ser eu mesmo, sem medo de ser julgado ou avaliado.

 

Ah Paris. Era a cidade romântica dos filmes e dos livros, onde eu sabia que encontraria belezas de todos os tipos.

 

Sem dúvida, foi à Índia onde eu me encontrei em meio ao caos. Nunca pensei que pudesse aprender tanto em uma única viagem.

 

Curitiba, pois lá eu reencontrei pessoas da família que não via desde criança e são muito importantes para mim.

 

Todos foram falando até que a última pessoa levantou a mão e disse: a viagem mais profunda e importante foi à viagem que fiz para dentro de mim mesmo.

Uma viagem de autodesenvolvimento

E se for possível fazer uma viagem de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, em que você também faz um trabalho que tenha significado para você e para os outros e ainda desenvolve pessoas?

 

Será que isso é possível? Sim. É perfeitamente possível.

 

“Podemos descobrir esse significado na vida de três modos diferentes: criando um trabalho ou realizando uma ação; vivenciando algo ou encontrando alguém; e por meio da atitude que tomamos em relação ao sofrimento inevitável.”

 

“Tudo pode ser tomado de uma pessoa, menos a última das liberdades humanas: escolher sua própria atitude em qualquer possível circunstância, escolher seu próprio caminho.” – Viktor Frankl, autor de “Man’s Search for Meaning”, sobre sua experiência em um campo de concentração.

Mas, porque será que a viagem mais importante foi para dentro de si mesmo?

Havia uma vila e nela vivia um povo muito diverso. Tinham pessoas de todos os tipos, características, comportamentos, mas elas tinham algo em comum: queriam saber o futuro e ter o controle sobre os acontecimentos.

 

Ali diziam que havia um sábio que tinha todas as respostas e ele ficava dentro de uma caverna. Do lado de fora da caverna, tinha uma placa que dizia: Consulte o sábio e tenha as respostas que você procura.

 

O sábio era muito procurado e, às vezes, tinha até fila para consultá-lo ou pessoas que desistiam e voltavam no dia seguinte ou uma semana depois para tentar saber o futuro.

 

As pessoas saiam da caverna, com reações diversas, e se ouviam coisas de todos os tipos: que palhaçada! Mas, não é possível. Não entendi nada. Simples assim. Agora fez sentido. Ok. Entendi. O que eu faço agora? Que? Tudo isso para nada.

 

Acontece que ao entrar na caverna, a pessoa percorria um caminho que ia ficando mais e mais estreito e só depois de algum tempo que parecia uma eternidade, encontrava uma cadeira com uma placa.

 

A placa dizia: sente-se e olhe profundamente a sua frente e encontrará todas as respostas que veio buscar. A frente da pessoa tinha um espelho e ela se via. Nada havia ali. E tudo havia ali.

 

Imaginem ter uma profissão que é capaz de cuidar do seu desenvolvimento pessoal como prioridade. Você pode ajudar os outros, ajudando primeiro a si mesmo.

Mudando de vida

Quando você decide que Coaching será sua nova escolha de carreira ou algo que você quer realizar em paralelo a sua atual atividade profissional, você imediatamente se torna alvo do processo.

 

E alvo no bom sentido. Não há maneira melhor de vivenciar o processo e estar preparado pessoal e profissionalmente do que mergulhar de cabeça e exercitar tudo com você primeiro.

 

De repente, é você e o espelho e você têm todas as respostas dentro de si. O Coaching é uma jornada, que começa pelo seu autoconhecimento e desenvolvimento pessoal para que depois possa fazer o mesmo pelos outros.

 

O Coach conhece porque aplicou e testou cada uma das ferramentas, e cresceu com cada uma delas.

 

Enquanto você se prepara para ser um bom Coach, você de repente pode perceber que está conhecendo mais sobre si mesmo do que teve a oportunidade de fazer em anos. É o desenvolvimento pessoal em fase crescente.

O que muda?

Pode ser que você descubra o seu propósito de vida, o que realmente faz sentido para você, seus principais valores, aqueles que realmente você não está disposto a abrir mão por quem quer que seja, sua visão de futuro, novos sonhos, seus sabotadores, aqueles que te impedem de ser sua melhor versão.

 

E a cada atendimento você pode perceber o quanto as situações estão interligadas e você aprende com a outra pessoa, e muitas vezes, escuta exatamente aquilo que estava precisando ouvir.

 

Alguns benefícios:

• Desenvolvimento pessoal
• Liberdade
• Mercado em crescimento
• Remuneração
• Oportunidades variadas
• Desenvolvimento profissional
• Trabalho com propósito
• Reconhecimento
• Realização pessoal

 

Tudo que você fez e aprendeu até aqui se soma com o Coaching. Nada é perdido. É como se você tivesse sua mochila já lotada de conhecimentos, experiências e ferramentas e agora fosse obter mais um.

 

O Coaching te permite juntar e aproveitar tudo que você trás com você na bagagem.

 

Seja na posição de um aluno, de um Coach profissional ou tendo a oportunidade de fazer um processo de Coaching você terá a oportunidade de conhecer na prática os benefícios desta metodologia em primeiro lugar para você e para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

 

Se estiver interessado em conhecer a metodologia Crescimentum de Certificação Profissional em Coaching, converse com um de nossos consultores, ficaremos felizes em te atender!

A Cultura como responsável pela Retenção de Talentos

Por Anderson Fernandes, trainer da Crescimentum

 

Você tem perdido pessoas e profissionais talentosos? Os seus funcionários refletem os valores da sua organização?

 

Cada vez mais, CEOs e equipes de liderança estão reconhecendo a importância da cultura da empresa tanto na retenção de profissionais como na obtenção de lucro e melhores resultados.

 

Uma pesquisa da Deloitte, feita em 2018,  chamada “Global Human Capital Trends survey”, revelou que 82% dos entrevistados reconhecem a cultura como uma vantagem competitiva potencial.

 

Além disso, quase nove entre dez executivos nos EUA e no Reino Unido acreditam que a cultura é importante na retenção de talentos e funcionários de alta performance.

Retenção de Talentos: como e por quê?

E como posso fazer isso? Como ter uma cultura que me ajude no recrutamento e retenção de talentos engajados e criativos?

 

A cultura não é construída por palavras pintadas na parede, com missões ou visão espalhados nas salas de reunião, mesas ou em declarações motivacionais.

 

Isso tudo pode ser vazio e sem nenhum efeito prático. Para ter um impacto real, a cultura deve ser vivenciada no dia a dia por todos os funcionários. Desde o estagiário até o CEO.

Um reflexo das pessoas

Cultura é formada pelos líderes e suas equipes. Como consequência, a empresa vai refletir a cultura dessas pessoas.

 

A Deloitte define cultura como “o sistema de valores, crenças e comportamentos que determinam como o trabalho real é realizado dentro de uma organização”.

 

Se a Cultura de uma empresa for realmente vivenciada e praticada, ela será o elemento fundamental na formação do clima organizacional e na retenção de talentos.

 

O que se sabe empiricamente e por várias pesquisas, é que empresas que não tem uma cultura forte, têm maior dificuldade em atrair e reter talentos.

 

Essas novas gerações buscam, cada vez mais, uma forte identificação com o propósito da empresa, sua marca e identidade. Ou seja, os valores que são realmente praticados e vividos pela empresa.

 

Até porque, muitas vezes, como defende o escritor Simon Sinek, o foco da maioria das empresas fica apenas em vender seu produto, mostrando “o que a empresa faz” e a forma, ou seja (como fazemos?).

 

Infelizmente, as empresas se esquecem de focar no mais importante: qual o valor por trás desse produto? Qual o propósito do produto? Por que fazemos esse produto? (*2)

Colaboradores e clientes se tornam parte da cultura

Quando a cultura é forte, ela se torna parte da identidade e da marca da empresa. Os valores culturais devem infundir todos os aspectos do trabalho de seus funcionários e as decisões que eles tomam.

 

A cultura da Apple enfatiza a inovação rápida. A Starbucks valoriza o comércio justo, a diversidade e a inclusão. A gestão de talentos é grandemente impactada pela cultura, particularmente nas áreas de recrutamento e seleção.  (*1)

O Método Barrett

O Barrett Value Centre é um instituto, que foi fundado pelo Richard Barrett e que mapeou valores de mais de 2 mil corporações nos últimos 10 anos em mais de 60 países.

 

É a metodologia mundialmente reconhecida por sua eficácia e resultado. Como o próprio Barrett afirma, “as organizações orientadas por valores são as mais bem-sucedidas do planeta”.

 

E um dos principais motivos é que uma cultura clara e forte satisfaz funcionários, clientes e, como consequência, traz resultado e satisfação também aos acionistas. (*3)  (*4)

Planejando para o sucesso

Se um dos seus objetivos é o recrutamento e retenção de talentos, é fundamental começar a buscar métodos e ferramentas que possam ajudar a entender a cultura atual da sua empresa.

 

Além disso, a cultura deve ser vista como um dos pilares na pauta do seu planejamento e com um plano de ação importante para que a cultura desejada esteja alinhada com o sucesso da sua organização.

Os desafios de gerenciar uma Cultura Organizacional

Por Guilherme Marback, sócio-diretor e head de Cultura Organizacional da Crescimentum

 

 

“Desafios de gerenciar uma cultura organizacional” foi o tema da minha palestra no último Manhã com RH, evento mensal que realizamos na Crescimentum com a finalidade de compartilhar conhecimento por meio de um espaço de aprendizagem.

Quais os desafios de gerenciar uma Cultura Organizacional?

Iniciei a palestra utilizando o tema dessa forma, como uma pergunta. E, após um breve momento de diálogo em pequenos grupos, 137 participantes dos mais de 160 presentes compartilharam sua resposta.

 

O que se destacou no grupo foi o Alinhamento da liderança como principal desafio, muito à frente de engajamento e comunicação que vieram a seguir.

 

Mas, por que esse alinhamento da liderança é percebido como o principal desafio e como enfrentá-lo a caminho de uma cultura organizacional vencedora?

A força das crenças e valores

Acreditamos que a Cultura é forjada principalmente a partir das crenças e valores dos líderes do presente e do passado.

 

Suas crenças e valores definem as regras, procedimentos, símbolos, artefatos e tudo aquilo que orienta o comportamento do coletivo.

 

Entretanto, por trás das crenças e daquilo que é valorizado estão as necessidades dos líderes e aí é que reside o problema!

 

Dificilmente encontramos um grupo de líderes perfeitamente alinhado entre si, exercendo as suas escolhas a partir do propósito, significados e interesses comuns.

Os medos do líder

Em grande medida os líderes estão reagindo às suas próprias necessidades e não às necessidades institucionais.

É claro que isso varia de organização para organização, do seu grau de desenvolvimento e desafios estratégicos, assim como o grau de maturidade da liderança.

 

Além disso, em qualquer caso, muitas vezes as necessidades do ego superam os interesses comuns e direcionam o foco da liderança para os seus interesses pessoais e de suas áreas que acabam se transformando em silos e feudos.

 

Uma vez que os líderes se encastelam em seus feudos não somente para proteger as suas necessidades do ego, mas especialmente para se protegerem dos seus medos.

Considerando os Sete Níveis de Consciência de Richard Barrett, estamos falando do medo de não ter o suficiente no nível de sobrevivência, o medo de não ser bem quisto no nível de relacionamento e o medo de não ser suficientemente bom no nível da autoestima.

O desafio da Cultura Organizacional para a organização

Olhando para a organização, estamos falando de sistemas complexos em que um conjunto de líderes se reúne em diferentes estágios de desenvolvimento psicológico. Além de operar a partir dos mais variados conjuntos de valores e a partir das suas próprias visões de mundo.

O caminho para o sucesso

Ampliar o alinhamento da liderança passa necessariamente pela tomada de consciência do líder sobre seus próprios valores, seus medos e o impacto que geram no grupo.

 

Depois o grupo precisa definir e praticar os valores que precisam ser vividos coletivamente para orientar as escolhas e esforços de toda organização a caminho do bem comum e propósito da organização.

 

Isso somente é possível com o fortalecimento das relações de confiança, tornando o feedback um processo fluido e permanente, as conversas assertivas trazendo à mesa o que precisa ser tratado, debater francamente defendendo as suas posições e convicções sem se preocupar com o conflito.

 

Para que isso aconteça, é necessário ampliar significativamente os espaços de diálogo na organização, o que, infelizmente, está cada vez mais raro!

 

Se você estiver interessado em começar um processo de gerenciamento de Cultura Organizacional dentro da sua organização converse com nossos consultores, podemos te ajudar!