Posts

Como se tornar um Coach: o passo a passo!

Por Renata Klingelfus Andraus, trainer na Crescimentum

 

Cada vez mais pessoas no Brasil e no mundo buscam o Coaching enquanto profissão e muito se fala sobre o assunto.

 

Por isso, o objetivo aqui é ajudar você, que quer se tornar um Coach, a ter as informações necessárias para dar o próximo passo, dando dicas para que você obtenha sucesso em sua nova escolha de carreira.

O que significa ser um Coach?

Dados da International Coach Federation (ICF) apontam que, nos últimos quatro anos, o Coaching cresceu mais de 300% no Brasil.

 

A estimativa é de que o segmento tenha movimentado mais de R$ 50 milhões nos últimos anos. Outra pesquisa, realizada pela consultoria PwC, entre 2009 e 2012, mostra que o número de Coaches certificados no Brasil subiu de 350 para 1.100.

 

Mesmo tendo mais do que triplicado, o país ainda está bem atrás da América do Norte e da Europa, onde há uma média de 40 Coaches por cada milhão de habitantes.

 

Isso quer dizer que você vai encontrar um mercado em expansão com espaço para novos profissionais e poderá identificar preferências e, se quiser, escolher um nicho para sua atuação como um Coach:

Mas como começar?

Um bom Coach começa por si mesmo, pelo seu autoconhecimento e desenvolvimento pessoal e profissional. Para se tornar Coach, primeiro é preciso querer.

 

Coaching é uma carreira que pode ser exercida por qualquer pessoa, independente da área de atuação ou formação acadêmica.

 

Mas uma primeira pergunta importante a fazer é: por quê? Por que você quer ser Coach?

 

Pode ser pela remuneração, por insatisfação com sua atual função, pela autonomia, por gostar de estar com pessoas ou, quem sabe, para ajudar os outros.

“Quem tem um ‘porquê’ enfrenta qualquer ‘como’”. (Viktor Frankl)

Ter claro o seu ‘porquê’ é a chave para te ajudar a traçar seu plano de ação e direcionar que tipo de profissional você quer ser, que legado você quer deixar para os seus clientes e como você gostaria de estar daqui há alguns anos.

 

Olhe para você hoje, entenda qual seu estado atual como se fosse o começo de um percurso e imagine você chegando ao estado desejado.
O que você precisa fazer para chegar lá?

O que você escolhe acreditar?

No que você acredita, seus valores e crenças, também é muito importante para se tornar um Coach.

 

Por exemplo, você pode acreditar que pessoas são complicadas, que ser um bom Coach é difícil e que as pessoas têm que se adaptar ao seu jeito.

 

Ou você pode acreditar que todas as pessoas têm intenção positiva, que, como Coach, vai ajudar muitas pessoas e que, com estudo e dedicação, será um bom profissional.

 

As crenças positivas podem ajudar você a ter um desenvolvimento mais rápido nessa nova carreira, além de transmitir mais credibilidade e entusiasmo para os seus clientes.

“Você se torna o que mais acredita” (Oprah Winfrey)

Habilidades essenciais para se tornar um bom Coach

Você já refletiu sobre a importância do seu ‘porque’, o tipo de Coach que você quer ser e o que você precisa acreditar?

 

Com base no que você quer atingir, pense em quais habilidades são mais importantes e já identifique quais você tem e quais precisará desenvolver ou aprimorar no caminho:

  • Escuta ativa
  • Habilidade em fazer perguntas
  • Interesse genuíno
  • Gostar de pessoas
  • Habilidade de captar além do que está sendo dito
  • Boa comunicação
  • Ética
  • Flexibilidade
  • Compromisso com o cliente

Como encontrar o local ideal para fazer uma formação em Coaching?

Cuidado com as propagandas e promessas milagrosas que você pode encontrar por aí… Esse é um passo muito importante para se tornar um bom Coach!

 

Por isso, começamos por você, ajudando a olhar para dentro, trabalhando seu autoconhecimento e clareza dos seus objetivos.

 

Agora, pesquise, converse, pergunte. Tem muitos cursos de Coaching disponíveis no mercado. Alguns mais ferramentais, outros mais práticos.

 

Alguns formam muitas pessoas ao mesmo tempo, outros são bastante personalizados.

 

Como funciona cada um? Como te acompanham depois?

 

Além de ferramentas, é importante pensar numa formação que traga a você bastante prática e que permita terminar o curso com mais segurança e bagagem.

 

É importante que seja uma empresa que oferece mentoria e acompanhamento posterior, para que você continue praticando, mas com apoio profissional e feedbacks constantes.

 

O que você está fazendo bem, o que poderia ter feito diferente e o que pode fazer mais.

Depois da formação vem a prática!

Imagine um piloto de avião. Como ele chega a estar preparado para assumir essa função? Treinamentos, leituras, troca de melhores práticas e muitas simulações.

 

Por exemplo, hoje para pilotar um Boeing 737, são exigidas em médias, 1.500 horas de voo. Com o Coach a situação é parecida.

 

É preciso um número mínimo de horas de processos de Coaching e de atendimento a diferentes clientes, além de mentoria, para obter uma certificação.

 

Hoje, os clientes (Coachees), pesquisam bastante sobre os Coaches e, além do currículo, querem saber a experiência profissional e cases de sucesso.

 

Inclusive, o valor por sessão, muda conforme a experiência e possibilidade de comprovar suas horas de trabalho e resultados obtidos.

 

O método 70:20:10, desenvolvido pelo Centre for Creative Leadership sugere que, para atingir o auge de desenvolvimento e aprendizagem, o tempo de estudo e aprendizado deve ser dividido e investido da seguinte forma:

  • 10% de aprendizado formal (aulas, cursos, etc)
  • 20% de aprendizado com os outros (trocas, feedbacks)
  • 70% de aprendizado com a prática

É o que acontece com o Coaching. Como você aprende? Fazendo.

 

Como você se torna um bom Coach? Atendendo muitas pessoas.

Você é a sua marca!

Depois, é importante você ter em mente que você é sua marca, seu melhor ou pior marketing. A cada contato com as pessoas, sendo clientes ou não, existe uma oportunidade de deixar sua marca.

 

Uma boa formação também ensinará como começar a divulgar seu trabalho, além dos valores sugeridos por processo de Coaching.

 

E você não continua sozinho, a empresa também apresenta opções de continuidade e parceria para ajudar a alavancar sua carreira.

Mas o que você ganha se tornando um Coach?

Os principais benefícios:

  • Desenvolvimento pessoal
  • Liberdade
  • Mercado em crescimento
  • Remuneração
  • Oportunidades variadas
  • Desenvolvimento profissional
  • Trabalho com propósito
  • Reconhecimento
  • Realização pessoal

Não existe fórmula mágica, mas sim, uma combinação de interesse genuíno pelas pessoas, autoconhecimento, uma boa formação e muita prática.

“Uma jornada de mil milhas começa com um simples passo.” (Lao Tzu)

 

Se estiver interessado em conhecer a metodologia Crescimentum de Certificação Profissional em Coaching, converse com um de nossos consultores, ficaremos felizes em te atender!

 

Aproveite a jornada!

Coaching e Mentoring: afinal, qual a diferença?

Por Alessandra Sperandio, coach parceira da Crescimentum

 

Para que seja possível abordar a diferença entre Coaching e Mentoring, é fundamental entender, separadamente, o que cada um significa, suas aplicabilidades, para quem se destina e quais competências os profissionais de cada abordagem precisam ter para obter sucesso em suas conduções e atuações.

Coaching e Mentoring

Entendendo o Mentoring!

Mentoring é um termo em inglês que significa “tutoria”, “mentoria” ou “apadrinhamento” e é utilizado como um caminho de desenvolvimento através de um profissional experiente, chamado de mentor ou conselheiro.

 

O mentor possui uma larga bagagem profissional, visto que já passou por diversas situações que lhe proporcionaram um profundo aprendizado, aumento de repertório e desenvolvimento de novas competências para enfrentar situações complexas em sua área de atuação.

 

E, com essa bagagem, auxilia profissionais menos experientes ou em início de carreira, disponibilizando toda a sua experiência para que aprendam com quem já viveu situações similares.

 

É uma maneira de aumentar as possibilidades de sucesso, por meio da resolução de problemas num menor espaço de tempo.

 

O Mentoring pode ser utilizado dentro das empresas e tem como principal responsável a área de Recursos Humanos.

 

É ela que identifica e convida os profissionais sêniores, sejam de dentro da própria empresa ou de consultorias capacitadas.

 

O foco é a diversidade de profissionais com experiências e vivências para a atuação como mentor de seu público interno em novas funções que demandam treinamento e aceleração de aprendizado.

 

Apesar dessa estratégia ser ideal na formação de novos colaboradores e na aceleração de aprendizado de profissionais em novas funções, o Mentoring ainda é pouco aplicado no Brasil.

 

Estima-se que uma a cada dez grandes organizações utilizam e adotam esse método para desenvolver e capacitar seus profissionais.

 

Outro ponto é que, mesmo sendo mais utilizado e aplicado nas empresas, é possível utilizar esse método em outras áreas da vida, além da profissional.

É a vez do Coaching!

Coaching é também um termo em inglês, oriundo da palavra Coach que significa “treinador”.

 

A terminologia Coaching é destinada a uma metodologia que utiliza ferramentas e princípios próprios para ajudar pessoas a alcançarem seus objetivos em um período determinado, de forma estruturada e focada em ações, conforme já abordado em artigos anteriores.

 

Duas das principais competências que um profissional Coach precisa ter são a capacidade de atenção plena ao seu Coachee e saber ouvir desprovido de julgamentos, opiniões, “achismos”, induções e conclusões.

 

Outro princípio básico do Coaching é que o Coach não opina e nem dá “dicas” sobre o que seu cliente precisa fazer para chegar na sua meta.

 

O que ele faz é utilizar ferramentas apropriadas para facilitar o processo de reflexão de seu Coachee.

 

Utilizando-se dessas principais competências, ele se torna capacitado a fazer perguntas relevantes que ajudam seu Coachee a buscar suas próprias respostas, ressignificar algumas crenças e buscar novos caminhos neurais, que o ajudem a pensar no que nunca pensou.

 

A partir desses questionamentos, o Coachee é capaz de fazer o que ainda não fez para chegar onde deseja estar, por meio de suas próprias ações, escolhas e decisões.

O profissional de Mentoring precisa ser um Coach?

Não necessariamente. É interessante que o mentor conheça as ferramentas de Coaching, já que elas podem ajudar na sua atuação.

 

Está cada vez mais comum encontrar executivos experientes e bem-sucedidos que buscam a formação e certificação em Coaching para ampliar sua atuação e utilizar as duas metodologias em contextos e necessidades específicas para cada uma.

Como fazer a melhor escolha de acordo com a necessidade?

Ao escolher um profissional que não tem experiência técnica e profissional suficientes para ser um mentor, há o risco de que ele exerça esse papel sem a competência para isso, podendo causar mais prejuízo do que benefício dentro do processo.

 

Ou seja, se o profissional ainda não alcançou grandes feitos ou teve vivências diversas e suficientes em sua trajetória profissional, como ele instigará e desenvolverá outros profissionais?

 

Para a contratação do Coach podemos seguir a mesma linha de raciocínio… Como um Coach ou uma empresa que atua com processos de Coaching e que não possui a certificação adequada para se capacitar na metodologia, poderão auxiliar no desenvolvimento do máximo potencial de outros?

 

Entender a diferença entre Coaching e Mentoring fica menos complexo, diante desses pontos. Podemos dizer que os dois são similares na medida que buscam apoiar pessoas a evoluírem e alcançarem seus objetivos.

 

No entanto, ambos possuem métodos e processos bem diferentes. E, ao ter lido esse artigo, acreditamos que você saberá identificar e escolher o processo que corresponde melhor à sua necessidade, escolhendo um profissional adequado para atender às suas expectativas.

 

Se você se interessou pela carreira de Coach e deseja otimizar os seus resultados, aprofundando-se nas ferramentas de Coaching, busque certificações reconhecidas pelo mercado, como a da Crescimentum.

Life Coaching: torne-se o guia na descoberta do propósito!

Por Regina Tavernier, coach parceira da Crescimentum

 

Antes de entrarmos propriamente no tema Life Coaching, é importante saber que estamos atualmente com uma demanda cada vez maior por processos de coaching.

 

Este é um setor que não para de crescer no mundo e que, como consequência, trouxe para esse segmento certa “banalização”, portanto não é de se estranhar confusões sendo feitas quando o assunto é coaching, assim como com suas modalidades.

Life Coaching: entenda

Neste artigo, a ideia é focar na modalidade Life Coaching, que talvez seja uma das mais confundidas dentre todas, sendo comumente vista como terapia.

 

A terapia realizada por um psicólogo é completamente diferente de um processo de coaching. E vale lembrar que o psicólogo também pode ser coach, mas são papéis diferentes, e ocorrem separadamente.

 

Além do mais, segundo a definição do ICF (International Coaching Federation) coaching é definido como “um processo instigante e criativo que visa liberar o potencial pessoal e profissional, para a máxima performance”, ou seja, ele tem como foco objetivos futuros; bem diferente da terapia, que tem como foco o tratamento de problemas do passado que estão afetando o presente.

 

Outro tipo de confusão que acontece frequentemente é quanto a nomenclatura: Life Coaching ou Coaching de Vida. De fato, não existe diferença entre as duas, o mais importante é do que se trata, para quê e qual motivo levaria alguém a passar por um processo de Life Coaching.

 

Muitas respostas podem surgir, pois o motivo pelo qual alguém faz essa busca pode variar muito, além de ser particular.

 

Dentre eles podemos citar um, que é o fato do cliente querer revisitar dimensões de sua vida através da Roda da Vida, essa roda pode abranger 8 ou mais áreas, sendo elas: Física, Familiar, Financeira, Produtividade, Profissional, Intelectual, Espiritual e Relacionamento Íntimo.

Descubra o seu propósito

O objetivo dessa poderosa ferramenta é apoiar o cliente ampliando a visão sobre sua própria vida, convidando-o a explorar mais cada uma delas de acordo com o objetivo traçado por ele.

 

A partir disso, o cliente estará preparado para dar mais um passo em direção ao seu crescimento, desenvolvimento e consequente evolução. Essa busca irá possibilitar o encontro com sua essência e seu propósito de vida!

 

Podemos entender que o Life Coaching é a expansão do que há de melhor no ser humano, é um processo que traz um olhar mais integrativo para a própria vida, e assim podemos ampliar o leque de possibilidades de ação, criando a melhor vida a ser vivida.

 

E, para que tudo isso seja possível, é essencial que o coach apoie seu cliente na jornada em busca de seu propósito de vida. Muitas vezes isso, por si só, já é bastante libertador, trazendo uma maior congruência de vida e realização.

 

Em geral com ao desvendar o propósito de vida, despontam também os valores que são fundamentais para aquela pessoa. Podemos considerar que os valores são os guardiões desse propósito, e não são suscetíveis a qualquer julgamento!

 

Não existe valor certo ou errado, e é por meio deles que tomamos as decisões em nossa vida. O alerta é quando esses mesmos valores nos limitam, nos impedem de atingir o nosso melhor

 

Neste caso, o coach pode apoiar o coachee por meio de perguntas, a ressignificar os valores limitantes e reforçar aqueles que mais potencializam o alcance dos objetivos do processo.

As 3 premissas

Eu costumo trazer 3 premissas básicas para o Life Coaching que conduzo:

Princípio da co-construção

Partindo do princípio que sou 100% responsável pelos meus resultados (sentimentos, pensamentos, emoções, comportamentos etc), posso acreditar que me transformar é o primeiro passo para o desenvolvimento, assim co-crio a minha nova realidade: a realidade que quero viver.

Cuidar-se bem em todas as áreas

Olhar de forma integrativa e mais equilibrada, para todas as áreas da vida.

Experienciar as práticas, exercitar as próprias experiências

Quanto mais nos expomos à vida, mais conhecemos nossas potencialidades e mais evoluiremos em direção ao nosso melhor. E isso pode ser uma combinação entre as 5 dimensões: a do pensar, sentir, criar imagem, o falar e agir sobre.

 

Não é incomum que as pessoas se surpreendam positivamente ao se depararem com a riqueza do processo de Life Coaching, entretanto, é importante citar que os coaches podem utilizar tipos diferentes de ferramentas a depender de sua linha de formação em Coaching e não necessariamente as que já foram citadas aqui.

 

Para finalizar, é claro que tudo isso só é possível a partir do autoconhecimento, que é base de todo e qualquer processo de crescimento e evolução.

 

Contudo, depende do quanto cada um está disposto para uma mudança genuína. Como diz o Paulo Alvarenga (P.A.), VP da Crescimentum e autor do livro #Atitude que Te Move, “a porta para a mudança está dentro de cada um de nós, portanto cabe a nós virar a chave e abri-la”.

 

Para otimizar os seus resultados e aprofundar-se nas ferramentas de Coaching, busque certificações reconhecidas pelo mercado, como a da Crescimentum.

Ferramentas de Coaching: potencializando Resultados!

Por Bárbara Viana, coach parceira da Crescimentum

 

Antes de falarmos de Ferramentas de Coaching, vamos começar definindo o que é o processo de Coaching. Segundo a ICF (International Coaching Federation) Coaching é “um processo instigante e criativo que visa liberar o potencial para a máxima performance”.

 

Esse processo ocorre com a parceria entre o coachee (cliente) e o Coach (profissional preparado e certificado). E, durante o processo de desenvolvimento do coachee, o coach utiliza diversas competências, técnicas e as tais Ferramentas de Coaching.

O que são as Ferramentas de Coaching?

Essas ferramentas são utilizadas visando auxiliar o coachee na sua jornada de descoberta e, de acordo com o tema da sessão, o Coach oferece recursos para expandir a consciência do coachee sobre o assunto que está em pauta.

 

As ferramentas de coaching potencializam o processo de autoconhecimento e apoiam o coachee na ampliação da autoconsciência, proporcionando maior clareza dos pontos trabalhados nas sessões.

 

Existem inúmeras ferramentas de Coaching que apoiam no desenvolvimento do processo. Algumas das mais conhecidas no mercado são:

  1. Resultados Esperados
  2. SWOT Pessoal
  3. Especificação de Objetivos
  4. Roda da Vida
  5. Dreamlist
  6. STOP
  7. Ganhos & Perdas
  8. Modelo Ideal
  9. Mesa de Mentores
  10. Road Map

Agora se focarmos em ferramentas de coaching de forma específica, podemos pensar em um segmento de clientes como o Coaching de Liderança, por exemplo, que é destinado a contribuir no desenvolvimento de coachees que são líderes.

 

Teremos ferramentas mais apropriadas para esse público, pois estas podem apoiá-los na atuação diária com seus liderados, auxiliando em uma gestão mais assertiva.

 

Olhando de forma direcionada para líderes, algumas ferramentas de coaching mais efetivas para serem sugeridas aos coachees nesse processos de coaching de liderança, são:

  1. Envolvimento Total
  2. Dimensões de Confiança
  3. Mapa de Influência
  4. Matriz de Empoderamento
  5. Feedback SCI
  6. DISC
  7. Motivadores
  8. Roda de Competências
  9. Perguntas Poderosas
  10. Modelo GROW

3 exemplos de Ferramentas de Coaching

Gostaria de destacar 3 dessas ferramentas como potencializadoras para o desenvolvimento de líderes.

1. Modelo GROW

O modelo GROW foi criado por John Whitmore, que ficou conhecido pelo seu livro “Coaching para Performance”. Esse modelo é um acrônimo: Goal (Meta), Reality (Realidade), Options (Opções) e What/When/Whom/Will (O Que deve ser feito/Quando/por Quem)

 

É um modelo de coaching que pode ser utilizado para nortear um processo de coaching ou utilizado como ferramenta.

 

Uma forma de usá-la é em reuniões com liderados ou em conversas de desenvolvimento, em que o Coach pode ajudar o Coachee Líder a desenvolver a competência de Líder Coach.

2. Perguntas Poderosas

São aquelas que propiciam reflexões, descobertas, insights, provocam novas soluções, incentivam a criatividade, estimulam a ação, geram opções, criam comprometimento e/ou novas perspectivas.

 

Alguns exemplos de Perguntas Poderosas:

A) O que você acredita sobre o seu Time?
B) Qual seria uma nova possibilidade para essa questão?
C) O que te impede de realizar isso?
D) Quantas formas diferentes existem para fazer isso?
E) Qual vai funcionar melhor pra você?
F) Qual o aprendizado você tira dessa situação?
G) O que eu posso fazer para te apoiar nesse projeto?
H) Como você gostaria de ser liderado?
I) O que você vai começar a fazer?
J) O que você vai parar de fazer?
K) O que você vai continuar fazendo?

Essa ferramenta contribui muito no dia a dia de um líder coach, ou seja, o profissional que utiliza as competência de Coaching para desenvolver seu time.

3. DISC

É uma ferramenta de Análise Comportamental, baseada na teoria DISC desenvolvida por William Moulton Marston em 1928, em seu livro “As emoções das pessoas normais”.

 

Os fatores analisados na ferramenta são: Dominância, Influência, Estabilidade e Conformidade. Todos esse fatores geram uma fonte de informações mostrando emoções observáveis, isto é, como uma pessoa é percebida pelos outros e como expressa o que está dentro dela.

 

O DISC é a linguagem universal do comportamento humano observável, proporciona expansão de autoconhecimento e autoconsciência sobre como você age, seu potencial, facilidades e dificuldades, tendências de tomada de decisão, delegação e estilo de liderança.

 

Tudo isso permite que entendamos, aceitemos e valorizemos cada vez mais a nós mesmos. E, quando esse caminho é mostrado para a gente, podemos fazê-lo com ainda mais competência com outros, uma vez que passamos a adquirir um novo nível de consciência e entendimento sobre o ele.

 

O ganho é inevitável em termos de melhores relações de confiança, comunicação mais assertiva, minimização de conflitos e maximização de resultados, tanto no âmbito profissional e pessoal.

 

“Para conseguir o melhor das pessoas, temos que acreditar que o melhor está lá. Mas como sabemos que está, o quanto está e como extraímos isso?” John Whitmore

 

Os conceitos, abordagens, técnicas e ferramentas de coaching são fundamentais para o sucesso do processo, e para auxiliarmos o Coachee a extrair seu melhor.

 

Entretanto, existe uma premissa que diz: o protagonista do processo é, e sempre será, o seu Coachee.

Coaching: desenvolvimento pessoal e profissional

Por Renata Klingelfus Andraus, trainer na Crescimentum

 

Como seria se você pudesse focar no seu desenvolvimento pessoal, trabalhar com seu propósito e ajudar as pessoas?

 

Eu não vejo sentido no que eu faço. Eu gostaria de ter mais liberdade. Não estou feliz. Sinto um vazio dentro de mim. Falta alguma coisa. Gostaria de deixar algo de significado para as pessoas. Sinto que posso fazer mais. Às vezes me sinto sobrecarregada. Passei a vida tentando agradar os outros.

 

Ganho bem, mas isso não é mais suficiente. O que estou fazendo aqui?

 

Tenho um relacionamento ruim com meus colegas. Quando chega o domingo me dá “fobia” pensando na segunda-feira. Acabo procrastinando minhas tarefas. Sinto ansiedade e outros sintomas físicos constantemente.

 

Você se identifica com algum destes pensamentos e sentimentos? Você não está sozinho.

Como o Coaching pode ajudar?

Muitas pessoas vivem hoje no piloto automático, perdendo a oportunidade de trabalhar com significado, descobrir a melhor versão de si mesmos e entregar resultados com mais naturalidade e satisfação.

Mas, como pode ser diferente?

Uma alternativa para mudança de vida ou de carreira é o Coaching. Uma metodologia flexível que aborda técnicas e ferramentas voltadas para o desenvolvimento de pessoas e pode ser aplicada em diversas áreas de atuação como: vida, carreira, liderança.

 

Não é a toa que o mercado de Coaching é responsável por movimentar uma parcela econômica altamente significativa em nível mundial. Apenas nos Estados Unidos, são gerados mais de 2,3 bilhões de dólares ao ano.

 

No Brasil, esse mercado vem ganhando cada vez mais força e é um pilar primordial para impulsionar a economia do país.

 

Afinal, o Coaching ajuda empresas a produzirem mais através de uma gestão de talentos efetiva, bem como, auxilia profissionais a alavancarem suas carreiras por meio da conquista de melhores cargos e salários.

 

E ajuda a todos que participam de um processo a terem um desenvolvimento pessoal significativo.

 

Com o mercado aquecido para essa profissão, muitas pessoas estão aproveitando sua bagagem acadêmica ou experiência profissional para se tornarem coaches, ajudando outras pessoas a alcançarem o sucesso e a felicidade em suas vidas.

E como isso funciona?

Certa vez, em uma sala de aula de um curso de MBA, o professor lançou uma discussão sobre a viagem mais importante que os alunos já tinham feito. Queria saber como foi, qual era o local e porque aquela viagem foi a mais significativa na vida de cada um.

 

Começaram a falar um a um. Alguém começou e disse: Disney. Porque era um sonho de criança e ali eu senti que podia ser eu mesmo, sem medo de ser julgado ou avaliado.

 

Ah Paris. Era a cidade romântica dos filmes e dos livros, onde eu sabia que encontraria belezas de todos os tipos.

 

Sem dúvida, foi à Índia onde eu me encontrei em meio ao caos. Nunca pensei que pudesse aprender tanto em uma única viagem.

 

Curitiba, pois lá eu reencontrei pessoas da família que não via desde criança e são muito importantes para mim.

 

Todos foram falando até que a última pessoa levantou a mão e disse: a viagem mais profunda e importante foi à viagem que fiz para dentro de mim mesmo.

Uma viagem de autodesenvolvimento

E se for possível fazer uma viagem de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal, em que você também faz um trabalho que tenha significado para você e para os outros e ainda desenvolve pessoas?

 

Será que isso é possível? Sim. É perfeitamente possível.

 

“Podemos descobrir esse significado na vida de três modos diferentes: criando um trabalho ou realizando uma ação; vivenciando algo ou encontrando alguém; e por meio da atitude que tomamos em relação ao sofrimento inevitável.”

 

“Tudo pode ser tomado de uma pessoa, menos a última das liberdades humanas: escolher sua própria atitude em qualquer possível circunstância, escolher seu próprio caminho.” – Viktor Frankl, autor de “Man’s Search for Meaning”, sobre sua experiência em um campo de concentração.

Mas, porque será que a viagem mais importante foi para dentro de si mesmo?

Havia uma vila e nela vivia um povo muito diverso. Tinham pessoas de todos os tipos, características, comportamentos, mas elas tinham algo em comum: queriam saber o futuro e ter o controle sobre os acontecimentos.

 

Ali diziam que havia um sábio que tinha todas as respostas e ele ficava dentro de uma caverna. Do lado de fora da caverna, tinha uma placa que dizia: Consulte o sábio e tenha as respostas que você procura.

 

O sábio era muito procurado e, às vezes, tinha até fila para consultá-lo ou pessoas que desistiam e voltavam no dia seguinte ou uma semana depois para tentar saber o futuro.

 

As pessoas saiam da caverna, com reações diversas, e se ouviam coisas de todos os tipos: que palhaçada! Mas, não é possível. Não entendi nada. Simples assim. Agora fez sentido. Ok. Entendi. O que eu faço agora? Que? Tudo isso para nada.

 

Acontece que ao entrar na caverna, a pessoa percorria um caminho que ia ficando mais e mais estreito e só depois de algum tempo que parecia uma eternidade, encontrava uma cadeira com uma placa.

 

A placa dizia: sente-se e olhe profundamente a sua frente e encontrará todas as respostas que veio buscar. A frente da pessoa tinha um espelho e ela se via. Nada havia ali. E tudo havia ali.

 

Imaginem ter uma profissão que é capaz de cuidar do seu desenvolvimento pessoal como prioridade. Você pode ajudar os outros, ajudando primeiro a si mesmo.

Mudando de vida

Quando você decide que Coaching será sua nova escolha de carreira ou algo que você quer realizar em paralelo a sua atual atividade profissional, você imediatamente se torna alvo do processo.

 

E alvo no bom sentido. Não há maneira melhor de vivenciar o processo e estar preparado pessoal e profissionalmente do que mergulhar de cabeça e exercitar tudo com você primeiro.

 

De repente, é você e o espelho e você têm todas as respostas dentro de si. O Coaching é uma jornada, que começa pelo seu autoconhecimento e desenvolvimento pessoal para que depois possa fazer o mesmo pelos outros.

 

O Coach conhece porque aplicou e testou cada uma das ferramentas, e cresceu com cada uma delas.

 

Enquanto você se prepara para ser um bom Coach, você de repente pode perceber que está conhecendo mais sobre si mesmo do que teve a oportunidade de fazer em anos. É o desenvolvimento pessoal em fase crescente.

O que muda?

Pode ser que você descubra o seu propósito de vida, o que realmente faz sentido para você, seus principais valores, aqueles que realmente você não está disposto a abrir mão por quem quer que seja, sua visão de futuro, novos sonhos, seus sabotadores, aqueles que te impedem de ser sua melhor versão.

 

E a cada atendimento você pode perceber o quanto as situações estão interligadas e você aprende com a outra pessoa, e muitas vezes, escuta exatamente aquilo que estava precisando ouvir.

 

Alguns benefícios:

• Desenvolvimento pessoal
• Liberdade
• Mercado em crescimento
• Remuneração
• Oportunidades variadas
• Desenvolvimento profissional
• Trabalho com propósito
• Reconhecimento
• Realização pessoal

 

Tudo que você fez e aprendeu até aqui se soma com o Coaching. Nada é perdido. É como se você tivesse sua mochila já lotada de conhecimentos, experiências e ferramentas e agora fosse obter mais um.

 

O Coaching te permite juntar e aproveitar tudo que você trás com você na bagagem.

 

Seja na posição de um aluno, de um Coach profissional ou tendo a oportunidade de fazer um processo de Coaching você terá a oportunidade de conhecer na prática os benefícios desta metodologia em primeiro lugar para você e para o seu desenvolvimento pessoal e profissional.

 

Se estiver interessado em conhecer a metodologia Crescimentum de Certificação Profissional em Coaching, converse com um de nossos consultores, ficaremos felizes em te atender!

Coaching de Carreira: transforme a vida profissional dos Coachees

Por Ilana Wilder, coach parceira da Crescimentum

 

Já ouviu falar em Coaching de Carreira? A massificação do termo Coach e Coaching tem produzido muita confusão no mundo do trabalho. Existe coach de tudo… o que não significa que tudo seja Coaching com C maiúsculo.

 

E como se diferenciar e realmente fazer um trabalho que impacte positivamente a vida do Coachee?

O impacto positivo do Coaching de Carreira

Uma pesquisa recente da Harris Interactive revelou a seguinte estatística no que se refere a satisfação no trabalho pelos norte-americanos:

  • 45% dos trabalhadores americanos dizem que estão satisfeitos ou extremamente satisfeitos em seu trabalho
  • Apenas 20% sentem-se extremamente apaixonados com relação ao seu trabalho
  • 33% acreditam que chegaram a um beco sem saída em suas carreiras
  • 21% tem vontade de mudar de carreira
  • Trabalhadores mais antigos são os mais satisfeitos e engajados em seu trabalho
  • Segurança no trabalho, plano de saúde e desenvolvimento pessoal são mais valorizados que salário extra

 

Esta pesquisa exemplifica uma realidade em que poucas pessoas estão felizes com seu trabalho. Normalmente isso ocorre devido ao trabalho não estar alinhado com suas paixões, seu propósito e pontos fortes.

Deixando um legado

O Coaching de Carreira oferece a oportunidade de descoberta da vocação, pontos fortes, valores e o legado que o Coachee deseja deixar no mundo, com o grande objetivo de uma vida mais gratificante.

 

A realização profissional depende de diversos fatores e está intrinsicamente relacionada aos Valores e Missão do indivíduo.

 

Portanto, ter clareza, neste sentido, faz toda a diferença no acordar às segundas-feiras pela manhã ou ao lidar com um cliente/colega de trabalho difícil.

 

Ter clareza da Missão e Valores faz com que a trilha da Carreira e as oportunidades que por ventura aparecerem fiquem mais claras.

Quais as competências essenciais para trabalhar com Coaching de Carreira?

As competências do ICF (International Coach Federation) são um ótimo guia de trabalho e podem ser aplicadas neste nicho de atendimento da seguinte maneira:

  • A ética permeia todo e qualquer tipo de trabalho de coaching
  • É importante diferenciar o que é coaching de outplacement, mentoria, psicoterapia ou orientação vocacional, e orientar o coachee caso este não seja o momento ideal para este tipo de trabalho
  • Deve-se fazer um acordo inicial das expectativas, objetivos e formas de mensuração dos resultados, bem como da forma/horário/honorário das sessões, além de sobre direitos e responsabilidades
  • A confiança deve ser construída e mantida ao longo do processo. Preocupação genuína, acordos claros e manter as promessas, respeito e apoio, bem como encorajar novos comportamentos
  • O Coaching de Carreira demanda muita confiança por parte do coachee na capacidade e conhecimento do Coach
  • A presença em coaching é o que separa o bom coach do Coach (com C maiúsculo). É estar totalmente focado no Coachee e com a intenção de fazer o seu melhor: a presença possibilita o surgimento de insights, conexão e reforça a confiança
  • Já a escuta ativa, por exemplo, pressupõe a habilidade de focar-se totalmente no que está e não está sendo dito na sessão, entender o significado dado pelo Coachee
  • O questionamento instigante é amplamente utilizado no Coaching de Carreira, com a dedicação de várias sessões para levantamento de possibilidades, acessar os valores e delinear a missão
  • Quando conversamos com o Coachee sobre suas questões profissionais, o uso da Comunicação Direta é fundamental para a objetividade, a transparência e o aproveitamento do tempo da sessão
  • Um dos objetivos da qualquer sessão de Coaching é criar uma conscientização sobre o tema abordado, no caso do Coaching de Carreira, porém, a conscientização ocorre nas facilidades, talentos e paixões que o Coachee tem
  • A partir do momento que os dados são levantados, os questionamentos respondidos, e os talentos, paixões e valores identificados, passa-se para a fase de desenvolver ações: que podem ser mais questionamentos, entrevistas, pesquisas de mercado, pesquisas de cursos, entre outros
  • Com a maior parte das questões respondidas, fica mais fácil passar para o Planejamento e definição de Metas, que no caso do Coaching de Carreira focam no tema da vida profissional do Coachee
  • Como competência final, mas que permeia todo o processo, está a gestão de progresso e responsabilidades, que o coachee deve ter. Geralmente no processo de Coaching de Carreira, que tem um tempo de coleta de informações grande, esta competência é de fundamental importância para que o processo não se perca na rotina ou na Resistencia à Mudança do coachee.

Os 3 eixos

Tendo essas competências como pano de fundo, podemos focar na vida profissional baseado em três grandes eixos, para evitar que o Coachee mude de trabalho, mas caia na mesma situação que o fez querer mudar em primeiro lugar:

Conheça a si mesmo:

Quais são suas paixões? Quais suas fortalezas, habilidades? O que você quer aprender e como você quer contribuir?

Conheça a cultura corporativa:

Quanto você acredita/compartilha da missão da empresa? Quais são os reais valores da empresa? Com quem você quer trabalhar?

Conheça as necessidades:

O quanto a empresa precisa de mim? O quanto eu preciso da empresa?

As necessidades do Coaching de Carreira

Existem diversas ferramentas que auxiliam no processo de Coaching de Carreira, algumas gratuitas e outras devem ser contratadas.

 

Entretanto, a necessidade de utilização vai depender do processo e das características particulares de cada coachee. Alguns temas fundamentais a serem abordados com o auxílio de ferramentas: valores, missão, preferência de modo de trabalhar, necessidades, talentos/facilidades, linha da vida e pesquisa de campo.

 

A profundidade, estudo e maestria na utilização destas ferramentas é um dos grandes fatores que diferenciam um coach de um Coach (com C maiúsculo).

 

Uma ótima prática é a montagem em conjunto de uma planilha com os resultados das sessões, as possibilidades que se abrem de trabalho, carreira ou uma mudança interna no trabalho atual.

 

Ser um Coach de Carreira é trazer e ser um diferencial na vida do Coachee!

 

É co-construir uma rota clara, utilizar metodologia, ferramentas e seu conhecimento para fazer as perguntas poderosas que levam à reflexão/atenção e que levam à ação para gerar a transformação.

 

É trazer o brilho nos olhos. É realinhar a paixão pelo que se faz. É ajudar o Coachee a ter um Propósito de vida alinhado ao propósito no trabalho. Torne-se um coach certificado pela Crescimentum e colabore para a construção de um mundo melhor!

Coaching Empresarial: o que é e como alcançar a Alta Performance

Por Roberta Ribas, coach parceira da Crescimentum

 

O Coaching é um processo, instigante e criativo, onde um profissional preparado e certificado (Coach) ajuda uma pessoa (Coachee) a encontrar sua máxima potencialidade através de conversas transformadoras, focadas em objetivos previamente alinhados.

O que é o Coaching Empresarial?

O Coaching Empresarial é uma modalidade de Coaching direcionada a empresários, gestores e líderes que introduz a prática do Coaching nas organizações.

 

O objetivo é que os profissionais responsáveis pelo desempenho de pessoas, resultados individuais e de grupos, aprimorem ou desenvolvam habilidades necessárias para alcançar uma Alta Performance no ambiente empresarial.

 

A Alta Performance Pessoal obtida por meio do Coaching tem sido parte da visão estratégica do CEO da Crescimento, Arthur Diniz, para empresários e CEOs de empresas por todo o Brasil.

 

Ele aponta a importância do Coaching Empresarial como um fator de alavancagem para empresas que desejam se transformar e atingir níveis melhores de performance, e até mesmo atingirem o nível de Organizações Exponenciais.

 

Então, o Coaching Empresarial auxilia empresários, gestores e líderes a buscarem uma melhoria de performance com relação a competências novas ou já existentes.

 

Competências que eles próprios identificam como aquém de suas necessidades (ou da empresa) em termos de performance.

 

Ou então quando apontadas por líderes ou liderados, por meio de ferramentas apropriadas para este levantamento, como a Avaliação 360 graus.

 

Outra situação em que o Coaching Empresarial é recomendado, é quando na transferência de área de um gestor ou líder, seja por uma promovido ou mudança para nova função, necessitando desenvolver competências novas e diferentes.

Melhoria de Performance

Com frequência que nos deparamos com empresários, gestores e líderes que nos relatam pontos a serem desenvolvidos para a melhoria de sua performance.

 

Por exemplo: melhorar a comunicação, estar mais presente, criar melhores relações no trabalho, aumentar a autoconfiança, liderar melhor a equipe, exercer uma maior influência, ter equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, desenvolver pessoas, entre outros.

 

Neste último – desenvolver pessoas – quando perguntamos aos empresários, gestores e líderes quanto tempo eles têm se dedicado a desenvolver pessoas, eles não sabem mensurar.

Estatísticas

Uma pesquisa realizada com líderes de RH nos EUA e publicada em maio/junho de 2018 na revista HBR – Harvard Business Review revelou que as áreas de RH esperam que os gestores e líderes de suas organizações gastem 36% de seu tempo desenvolvendo pessoas e equipes.

 

Quando a medição foi feita com os 7.500 gestores e líderes das 2.500 empresas que participaram do estudo, o resultado mostrou que a média real de dedicação para desenvolver pessoas e equipes é de apenas 9%.

 

Por isso, analisando o resultado desta pesquisa, chegamos à conclusão que o ambiente empresarial no Brasil deve estar no nível de 9%, ou mesmo abaixo, e que se os empresários e líderes têm pontos a desenvolver e a melhorar na busca da Alta Performance Pessoal, eles terão muito mais dificuldades em realizar isso apenas com recursos internos.

 

Eles precisarão de profissionais de Coaching Empresarial para auxiliar as organizações a desenvolver uma melhor performance e resultados.

 

Um outro olhar sobre Coaching Empresarial é perguntar às lideranças onde estão os maiores problemas de desempenho e do resultado na organização.

 

Geralmente colhemos uma longa lista de problemas nos processos do negócio, que são desempenhados por pessoas. Então a ligação entre processos, pessoas e resultado é estreita e muito forte, motivo pelo qual o Coaching Empresarial traz resultados mensuráveis para as organizações.

Mas como um processo de Coaching Empresarial ocorre?

Em linhas gerais, o processo começa com a área de RH patrocinando um Programa de Coaching Empresarial em conjunto com a alta direção da empresa, como o CEO, Gerente Geral, etc., acompanhada das diretorias ou gerências sêniores.

 

Em seguida, são procurados profissionais com formação e certificação em Coaching por empresas licenciadas para esta formação, e quando contratados, são alocados neste projeto, podendo ter dedicação exclusiva ao projeto ou a um grupo específico de pessoas na empresa.

 

Esta contratação pode ocorrer de forma direta (Coach – Empresa), ou através de uma empresa que fica responsável pela gestão do projeto que aciona profissionais certificados por ela para alocação no projeto (Empresa Gestora do Projeto – Coaches – Empresa Cliente).

E o que é desenvolvido em um processo de Coaching Empresarial?

É estabelecido o objetivo de cada sessão com o participante (Coachee) onde o Coach o convida a sair de sua zona de conforto e procurar formas de criar um novo movimento em direção ao objetivo da sessão e ao objetivo principal do seu processo estabelecido entre a Empresa e o Coachee.

 

O trabalho do Coach é então conduzir o Coachee a autorreflexões e buscar possibilidades para vencer o seu desafio (objetivo) estabelecido. E, é por meio desse processo que ocorre o desenvolvimento de competências e a melhoria contínua.

E os resultados?

Os resultados são alcançados dentro dos objetivos da organização e dos participantes. Podemos citar, por exemplo, melhoria e mudança de comportamento, expansão do autoconhecimento, ganho de novas competências, maior alinhamento com a visão da empresa e metas, clareza quanto a performance e carreira, conversas mais produtivas, melhoria nos relacionamentos, etc.

E eu posso ser um profissional Coach Empresarial?

Após obter sua certificação profissional em coaching, você terá os conhecimentos fundamentais para atuar como um profissional independente, um especialista em processos de mudança dentro da sua organização (se você for um gestor de RH ou líder de área), ou como um coach independente.

 

O mercado para Coaching Empresarial é novo e com um potencial de crescimento exponencial. As empresas estão apenas começando a reconhecer sua importância como ferramenta de melhoria contínua. Além disso buscam profissionais preparados para auxiliá-las na transformação de seus gestores e líderes.

 

A ABRH – Associação Brasileira de Recursos Humanos estimou em novembro de 2018 que apenas 350 das 1.000 maiores empresas no Brasil experimentaram um processo de Coaching Empresarial.

 

Portanto, se você tem o desejo de ajudar pessoas a alcançarem todo o potencial que têm, ou mesmo deseja fazer uma transição de carreira para o Coaching e estabelecer uma nova profissão, este é o melhor momento para fazer essa mudança! Conte com a Crescimentum para essa nova fase, com a Certificação Profissional em Coaching, acesse o link e saiba mais.

 

 

Coaching: origem e significado

Por Dan Porto, sócio-diretor e head de Coaching da Crescimentum

 

Muitos de vocês já ouviram falar de Coaching, sobre a origem dessa prática, sobre o profissional Coach e, provavelmente, sobre comparações entre Coaching, Mentoria, Terapia etc.

 

Este artigo tem o objetivo de esclarecer a origem e significado da palavra e explicar resumidamente como pode ser utilizado na prática. Começaremos pela origem da palavra. O termo Coaching surgiu em 1500 na Inglaterra, quando era utilizada para descrever os cocheiros, que eram os profissionais que conduziam as carruagens (coche) até seu destino.

 

Já em 1850 as Universidades inglesas passaram a usar o termo para se referirem ao tutor ou profissional que auxiliava os estudantes a se prepararem para os exames. Somente em 1950, o Coaching foi adotado pela literatura gerencial e classificado como uma habilidade própria da liderança, passando a ser frequentemente utilizado no ambiente corporativo.

 

E, assim, na esteira de um olhar mais dedicado ao desenvolvimento de pessoas, a técnica passou a constituir uma fundamental ferramenta para líderes.

 

Atualmente a definição que melhor representa o Coaching praticado nos diferentes contextos foi cunhada pela ICF (International Coaching Federation) como sendo “um processo instigante e criativo que visa liberar o potencial para máxima performance”.

 

O processo como descrito na definição se dá entre o coach (profissional que realiza o processo) e o coachee (cliente que passa pelo processo de coaching) em uma parceria com foco em desenvolvimento. Ajudar as pessoas a se conhecerem, transformar suas metas em planos de ação e manterem-se comprometidas durante o processo é o propósito do coach. Uma missão que é movida pelo interesse genuíno em apoiar e incentivar indivíduos a serem criativos e alcançarem seu máximo potencial para uma vida extraordinária.

 

O Coach usa entre outras habilidades, a escuta ativa e faz as perguntas poderosas a fim de que o coachee explore sua situação atual, seus objetivos, as alternativas que possui e o plano de ação a ser adotado em busca do que almeja. Galileu Galilei viveu no século XVI, mas já antecipava a tarefa do coach com a frase: “Você não pode ensinar algo a um homem. Você pode somente ajudá-lo a descobrir sozinho”.

 

Agora que já entendemos um pouco sobre o que é coaching, vamos atentar para como ele funciona na prática.

 

  1. Uma pessoa contrata o profissional coach que mais se adequa com o seu perfil. O processo de Coaching pode variar entre 6, 8, 10 e 12 sessões, com periodicidade quinzenal, e cada sessão tem a duração de 1h até 1h30;
  2. A primeira sessão é chamada de Empatia, onde o coachee terá a oportunidade de conhecer o coach, o objetivo é que o cliente perceba se aquele é o profissional que ele se sente confortável em seguir a diante, se não, ele tem a oportunidade de conhecer outros coaches;
  3. As 2 próximas sessões irão propiciar o autoconhecimento, a definição do objetivo estratégico do processo e a criação de visão de futuro do que se deseja alcançar.

 

A partir da 3ª sessão até o fechamento acontecerá o desenvolvimento e os planos de ação para o alcance da meta e objetivos definidos.

 

Aqui fizemos apenas uma introdução ao tema. Construímos o conceito de coaching e em nossas próximas conversas veremos quais são os tipos, a aplicação de coaching na Liderança, e outros tantos pontos que envolvem essa técnica poderosa no desenvolvimento humano.

 

Torne-se um coach profissional certificado pela Crescimentum e ajude a transformar o mundo por meio de conversas transformadoras. Inscreva-se na próxima turma de nossa Certificação Profissional em Coaching.

 

Até a próxima!

Coaching: Perguntas Poderosas?

Por Marco Fabossi, sócio-diretor da Crescimentum

 

O poder de uma pergunta não está em sua complexidade, mas na profundidade da reflexão que ela causa e nos insights que produz, por isso, ainda que simples, as perguntas podem ser muito poderosas e nos conduzir à boas reflexões, descobertas, ideias, ações e conquistas.

 

Acredito que você tenha estabelecido objetivos importantes para sua vida neste ano, certo? Pois bem, escolha um deles e faça as quatro perguntas que sugiro a seguir. São perguntas simples, mas poderosas, que, respondidas com sinceridade e acompanhadas de ações concretas, certamente produzirão resultados extraordinários em sua vida!

 

Por quê? Procure encontrar o propósito mais profundo e verdadeiro que sustentará aquilo que você deseja, e este propósito o(a) manterá vivo(a) e entusiasmado(a). Entenda as razões e os motivos verdadeiros daquilo que busca.

 

Pergunte-se: Por que eu devo fazer isso? Por que isso é importante pra mim? Entenda os motivos mais profundos pelos quais isso deve ser feito. Enquanto não houver clareza de propósito, os “motivos para a ação” (motivação), serão frágeis e insuficientes para conduzi-lo(a) em direção àquilo que deseja.

 

Enfim, encontre o verdadeiro propósito de suas escolhas e, quando possíveis obstáculos surgirem, lembre-se dele. Isso lhe trará força, motivação e entusiasmo para manter o foco, disciplina e persistência necessários para conquistar aquilo que deseja.

 

Por que não? O que o(a) impede de fazer isso? Muitas vezes, seguimos demorando pra fazer alguma coisa, simplesmente porque achamos que deveríamos ter feito antes, e julgamos ser tarde pra fazê-la agora… mas, por que não?

 

Se responder sinceramente, descobrirá que não existem motivos reais para deixar de fazer o que tanto deseja. Então, por que não começar algo novo? Por que não criar novos hábitos?

 

Por que não começar a fazer atividade física? Por que não parar de fumar? Por que não escrever um livro? Por que não voltar a estudar? Por que não arriscar? Por que não?

 

Por que não eu? Se alguém tem que fazer algo por você, esse alguém é você! Quando encontramos o verdadeiro propósito para fazer algo, e descobrimos que nada nos impede de fazê-lo, a próxima pergunta é “por que não eu?”.

 

Alguém tem que começar a fazer esse “negócio”! Alguém precisa começar a falar mais “eu te amo” nesse relacionamento: por que não eu? Alguém tem que propor uma nova ideia: por que não eu?

 

Alguém tem que começar a reconstruir as relações de confiança na equipe: por que não eu? Alguém tem que perdoar: por que não eu? Alguém tem que dar o primeiro passo: por que não eu?

 

Por que não agora? Como disse Chico Xavier, “Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo. Mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim”, e o melhor momento para começar a fazer esse “novo fim” é agora.

 

Se alguma coisa tem que ser feita, se não há razões concretas para que isso não seja feito e, se você mesmo pode fazer, então a última pergunta poderosa é: Por que não agora? Talvez esteja esperando pelo “momento perfeito”, mas o melhor momento é agora.

 

É por isso que o “agora” se chama “presente”: um presente de Deus para que você faça o que precisa ser feito. Então, por que não agora?

Coaching, a arma secreta dos grandes líderes

Por Arthur Diniz, CEO da Crescimentum

 

Muito se discute hoje a respeito da diferença dos líderes do passado e dos líderes modernos. As técnicas de Liderança que funcionavam bem não são mais tão efetivas. Num passado não muito distante, o líder autocrático era sempre o líder mais eficaz.

 

Até mesmo na vida familiar esse era o estilo de liderança predominante. Os homens davam as ordens e as esposas e filhos simplesmente obedeciam.

 

Aquele que impunha suas ordens com dureza conseguia excelentes resultados. Ainda hoje vemos muitos líderes trabalhando dessa forma, mas o mundo mudou e esses líderes autocráticos estão cada vez menos eficazes e menos valorizados nas empresas modernas.

 

Como obter o comprometimento e o coração dos liderados para que esses superem seus limites?

Surgem então as questões que têm desafiado os novos candidatos à líder: qual é a estratégia mais poderosa hoje para se exercer esse papel? Como fazer para influenciar pessoas em busca de resultados sem utilizar poder, ordens e ameaças? Como obter o comprometimento e o coração dos liderados para que esses superem seus limites?

 

Diversas teorias e técnicas surgiram no mercado das mais diversas origens, mas com certeza a que mais tem impressionado a todos com seus resultados é a utilização do “Coaching” como ferramenta de Liderança.

 

Como fazer então para utilizar essa ferramenta como líder e atingir esses resultados?

 

A resposta é facilmente encontrada quando se descobre qual é a ferramenta número um do “coaching”: a pergunta. Parece estranho, mas é exatamente isso.

 

A grande mudança no paradigma da Liderança acontece quando o líder para de dizer aos seus liderados como fazer as coisas e começa a perguntar.

 

As perguntas do líder têm impactos profundos nos seus liderados. Os questionamentos bem feitos obrigam o liderado a pensar, desenvolvendo com isso sua visão estratégica e a sua criatividade.

 

Quando a resposta vem fácil e mastigada o liderado não precisa nem pensar. Basta seguir as instruções.

 

Os resultados são extraordinários e tem mais uma consequência, a que considero mais importante de todas: como o liderado está aprendendo pensar, estudar alternativas e tomar decisões, o líder, nesse caso já é um “Líder Coach”, e estará cumprindo seu papel maior que é o de desenvolver novos líderes.

 

Parece ser uma receita simples, e é. Experimente liderar por meio de perguntas e depois analise os resultados.

 

Para otimizar os seus resultados e aprofundar-se nas ferramentas de Coaching, busque certificações acreditadas pelo mercado.

Portfolio Items